Vizinhos, Museu do Amanhã e Confeitaria Colombo podem ser vistos numa tarde

Pouco mais de um quilômetro separa dois emblemáticos pontos turísticos do Rio de Janeiro, diferentes em proposta, dimensões e idade, mas semelhantes quanto ao objetivo: expressar para quem chega de fora (e de dentro também) um pouquinho do espírito carioca. O primeiro, o lindíssimo Museu do Amanhã, é jovem, imponente, moderno, um símbolo da Cidade Maravilhosa do agora, do futuro. Já o segundo, a impressionante Confeitaria Colombo, é o ontem. Ela existe e resiste em um centro comercial – cujo ruge-ruge lembra muito o da nossa Rua das Calçadas – desde 1894, ainda envergando a elegância dos tempos áureos. Numa caminhadinha de 15, 20 minutos é possível se deslocar de um para o outro, com a Igreja da Candelária no meio, caso você queira dar uma passadinha e matar três coelhos com uma “caixa d’água” só. Ah, lembrando que o mega aquário AquaRio está pra ser inaugurado naquele região do porto, pode ser mais uma programação, hein? A melhor opção é ir de metrô. Você desce na estação Uruguaiana e decide se vai para o museu, à esquerda, ou para a confeitaria, à direita e mais perto. Uma olhadinha no Google Maps te dá as coordenadas, mas aí vão as minhas.

Para a Confeitaria: sai do metrô e siga pela rua Uruguaiana à direita, vire à esquerda na Rua do Ouvidor e à direita na Gonçalves Dias. São uns 5 minutos de caminhada.

Para o Museu do Amanhã: sai do metrô à esquerda, cruza a Av. Presidente Vargas, pega a Rua Acre e segue até chegar na Praça Mauá. Se quiser ir pela Candelária, vira à direita na Presidente Vargas até chegar nela. O tempo vai depender do caminho escolhido. Fiz o primeiro.

Confeitaria Colombo

Já tinha almoçado, então fomos caçar a sobremesa na Confeitaria primeiro. Honestamente, não sou mega apaixonada pelos doces e salgados de lá, com exceção do melhor éclair (bomba de chocolate) em linha reta do Brasil. É meu favorito do mundo, só como isso lá e viajaria de qualquer lugar do globo para dar uma abocanhada naquela massa macia, com recheio cremoso geladinho (R$ 9,50). Déli. Mesmo que você não vá comer, a confeitaria vale a visita só pela beleza casa. É absurdo de linda. Te transporta para uma época em que você não viveu, com moços elegantes usando paletó e senhoritas de chapéu. Um charme.

uma-tarde-no-rio-6 uma-tarde-no-rio-2 uma-tarde-no-rio-3 uma-tarde-no-rio-5

Serviço

Confeitaria Colombo
Rua Gonçalves Dias, 32, Centro, Rio de Janeiro
Funcionamento: das 9h às 19h, aos sábados, até às 17h, fecha aos domingos
Informações: (21) 2505-1500

LEIA TAMBÉM: Rio, do Parque Lage a samba na Gamboa

Museu do Amanhã

Reserve pelo menos três horas para essa atração porque ela tem várias etapas e muita coisa pra ver. Eu adoro museu e curto explorar bem, apertar todos os botões, assistir aos vídeos, ficar tempos refletindo sobre quadros, instalações, por isso passei mais de quatro horas. Sou dessas. A parte mais incrível foi a sala inicial, uma semi-lua cujo teto e paredes são uma enorme tela. Deita no chão e viaja, você sai das estrelas no espaço e vai direto para o fundo do oceano, em segundos. Aí, de repente, vem uma baleia em tamanho real e pula de um lado para o outro sobre a sua cabeça. Confesso que caiu um lágrima nessa hora, não controlei. Tá de parabéns quem fez aquilo, viu? Não esquece de passear pelo lado de fora e ver o museu por outra perspectiva.

uma-tarde-no-rio-7 uma-tarde-no-rio-8 uma-tarde-no-rio-9 uma-tarde-no-rio-10

Serviço

Museu do Amanhã
Praça Mauá, 1, Centro, Rio de Janeiro
Funcionamento: de terça a domingo, de 10h às 18h. Bilheteria aberta até as 17h.
Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada), grátis nas terças
Informações: www.museudoamanha.org.br

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

Seja o primeiro a comentar