(Uma receita, um vinil) Batata de forno e Martinho da Vila

batata de forno

Se a pessoa não sabe cozinhar direito e nem tem dinheiro pra comer na rua todo dia, ela se alimenta como, BRASEW? Eu respondo: com o que dá! Tenho que me virar no dia a dia quando a barriga ronca e o resultado é, quase sempre, um prato feito em vinte minutinhos, sem firulas e sofisticações. Coisas da vida real, né? Pois bem, vou começar a mostrar por aqui o que eu como na rotina e colocar também a dica do vinil que tocou durante a preparação da receita. Nossa coleção de discos  (minha e de Felipe) é uma coisa linda, formada por heranças de pais, tios e vários presentes de amigos, mas são tantos os LP’s que eu nuca ouvi nem metade! Os favoritos sempre tocam mais, aí vou aproveitar essa tag pra me forçar a ouvir os outros. 😉

Começo com batata de forno e Martinho da Vila. Essa batata é a coisa mais fácil de fazer, minha gente. Sabe os dias de desespero, aqueles que só tem arroz e carne pra comer? Pronto, ela salva! Coloca a batata cortada em pedaços grandes para cozinhar. Tem que ficar macia no centro (usa o garfo pra testar), aí você escorre tudo e coloca numa assadeira. Rega com azeite, joga as ervas que tiver (usei salsa, coentro, alecrim, orégano e um dente de alho) e leva ao forno até dourar. Tcharaaaaaam! Martinho me acompanhou na hora de almoçar. Ouvi o disco Sentimentos, de 1981, que tem sambinhas deliciosos (como Só em Maceió e Meu País) e clássicos (Ex-Amor, Me Faz Um Dengo e Velha Chica). É bom demais. Vale muito dar uma conferida.

IMG_1319vinil martinho da vilaMartinho da Vila -Sentimentos, 1981

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

Seja o primeiro a comentar