Snaubar: um árabe nada ortodoxo

Quando eu penso em comida árabe só me vêm três coisas à cabeça: homus, É o Tchan (olha o kibe!) e esfirra de R$ 0,39 centavos (beijo, Habbib’s). À lista se juntou o snowboard. Por quê? Durante as três horas que estive no Snaubar (esfirraria que fica na Zona Norte) só foi isso que deu na televisão e no meu juízo. Alguém me explica a razão de um estabelecimento no Brasil>Nordeste>Recife, e com proposta árabe, deixar um campeonato de surf na neve passando durante três horas para os clientes? E, não, não existe relação: Snaubar (ou pinoli, semente muito usada em comidas árabes) ≠ de snowboard (o esporte). Confesso que fiquei mini decepcionada com o espaço, mas tudo culpa minha, gente. Não que o lugar seja ruim, longe disso – tem uma estrutura ótima, até -, mas é que eu saí de casa achando que iria comer num restaurante árabe tradicional (coisa que nunca fiz), com direito a ambientação e gênio da lâmpada. Acabei dando de cara com um barzão.

Só que, vocês sabem, né?, é tão fácil me conquistar… A comida do Snaubar é deliciosa e barata, o atendimento é rápido e a noite com os amigos, entre eles os ilustríssimos escrevedores do Recifestranho, foi agradabilíssima. Assim o amor nasce. ♥ HAHAH Pois é, me ganharam pela barriga. Especialidade da casa, as esfirras são super variadas – nem consegui contar quantas tinham no cardápio – e com valores que começam, se me lembro bem, no R$3. Fiquei in love com uma de lombo e catupiry. Afemaria, boa demais. Os outros pratos também têm precinho amigo e não alcançam os R$25 (os que pedimos davam para ser compartilhados facilmente). O Kafta e o Falafel tavam joia, o encaixe perfeito para um cervejinha. Como lá é “esfiharia e cervejaria” a breja deve chegar gelada, mas nem me perguntem detalhes porque meu negócio é comer e foi só o que fiz. Enfim, passada a decepção inicial e encerrado o campeonato de snowboard (aí começou um de surf, bem mais coerente com nossa região, mas ainda sim inexplicável), fiquei bastante feliz com o Snaubar. Comi bem e a conta deu pouco menos de R$50 para duas pessoas. Numa próxima eu já vou sabendo o que me espera e, certeza, aproveitarei bem mais.

IMG_0209KAFTA Espetinho de carne com coalhada seca e um negócio que parece Dorito’s, como disse o Recifestranho IMG_0201FAVORITA Esfirra de lombo com catupiry e alguma outra – que eu não lembro do que era –  ofuscada pelo incrível sabor da primeiraIMG_0203OUTROS SABORES Queijo, tomate, manjericão e camarão com catupiry IMG_0216
DOCES Esfirra de tapioca e de chocolate com morango (Chegam quentinhas. Imperdíveis!)

Serviço

Snaubar Esfiharia e Cervejaria
End.: Rua Dr. Virgílio Mota, 48, Parnamirim
Tel.: (81) 3204.5104

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

1 Comentário

  • Responder agosto 28, 2013

    Rodolfo N

    Aaaaaa, o nome eh kafta! Se eu fosse mais profissional sabetia disso e nao teria dito que era algo como carne processada e prensada uhuhuhuhuhu.

Deixe um comentário