Reteteu, comida honesta e preço também

Não cheguei a provar das caçarolas do Reteteu Comida Honesta no início, quando era dedicado apenas ao delivery. Depois que a marca virou restaurante e se instalou numa casinha no Rosarinho, no entanto, eu não só passei a bater ponto por lá como o lugar se tornou um dos meus favoritos no Recife. A comida é Gostosa mesmo, com G maiúsculo de encher a boca. Tem tempero, sabe? Gostinho de quem fez aquilo com vontade, carinho, tesão. É um prazer comer ali, preenche o bucho e partes de você que não são físicas – a alma, quem sabe. Se fosse classificar, diria que a gastronomia da casa tem um pezinho no regional, mas não abraçou um rótulo pra se limitar. Por lá, não se usa – de preferência – produtos industrializados. Os fresquinhos são prioridade, preparados com técnica (de quem estudou gastronomia) e pouquíssima frescura (de quem valoriza a simplicidade). O arremate desse combo de coisas boas é o preço, camarada que só ele. Dá vontade de abraçar a conta e gritar “miga, sua loka, tem certeza?”. É um padrão altíssimo de cozinha para um valor bem honesto, como diz o nome e a filosofia de lá. Os valores colocados aqui são os mesmos da minha última visita lá, em agosto deste ano. Quem assina o menu é Thiago das Chagas. Já falei dele aqui.

reteteu-9 reteteu-8 reteteu-5reteteu-6

Transformar uma casinha num restaurante já é meio caminho andado para me ganhar. Você chega, olha por cima do muro baixinho, abre o portão e escolhe a mesa em um dos cômodos. Já sentei dentro, mas o quintal é uma delícia. Recomendo. O restô abre às 12h, mas, conselho de amigo, chega umas 11h30, 11h40 se for fim de semana. Das 12h em diante é um UFC por lugar. Mesmo na fila, a alegria é garantida com coxinha de costela com massa de macaxeira (R$ 7,50) e caipifruta, já que dá para ir beliscando enquanto espera.

Meu prato favorito disparado é a costelinha de porco assada no forno. Desmancha, derrete, se desfaz na língua. O molhinho que cobre é de passar o dedo no fundo e lamber pra não de estragar. Peço o tamanho para um, que é R$ 27,50, mas há também para dois, R$ 49,50. Agora atentem para isso: o que diz servir apenas um serumaninho, na verdade, serve dois! Claro, estou considerando aqui alguém que come médio – eu devoro uma sozinha fácil. Mas, o prato é tão farto, com tantos acompanhamentos (purê de banana da terra, farofa de ovos, salada e arroz) que depois de uma entradinha, certeza, satisfaz de boa duas pessoas. Na ida em que fiz o registro desse post, éramos três famintos e pedimos a costela para um e o prato do dia para dois (uma carne de sol de bode, purê de queijo, farofa de jerimum, vinagrete e arroz – R$ 58) e foi tipo banquete, comida saindo pelas orelhas. Numa outra ocasião, também em três (só que já sabidos), escolhemos a costela e o camarão de coco com jerimum (senhor! não fotografei, sorry), ambos para um, e foi comida até pedir misericórdia também. Em resumo, passar fome é a última coisa que pode te acontecer por lá.

reteteu

Suco de tamarindo servido na garrafinha. R$ 13,50 (700ml)

reteteu-2

Costela de porco ao forno com molho de mostarda

reteteu-3

Carne de sol de bode, farofa de jerimum e purê de queijo

Por mais que você coma de sair rolando, é um crime não pedir a sobremesa, essa divindade em forma de bolo, esse êxtase da doçaria, esse pecado capital. Crime mesmo e inafiançável. Se trata de um bolo de chocolate, mas de textura densa, passeia entre brownie, mousse e petit gateau. E é quentinho, viu? Com farofa de chocolate por cima e sorvete de doce de leite. R$ 13,50 e comem três, se você estiver a fim de dividir.

reteteu-4

Bolo de chocolate denso e imoral

Vai e me conta. 🙂

Reteteu Comida Honesta

Rua Professor Otávio de Freitas, 256, Rosarinho (pros lados do Arruda)
Informações: (81) 3204-4137
Instagram: @reteteucomidahonesta

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

Seja o primeiro a comentar