Pra comer até morrer: Café Colonial

Parece até sonho, minha gente. À tarde, no friozinho de Gramado – RS, namorado fazendo companhia e uma mesa repleta de quitutes pra se empanturrar à vontade. São tantos pratos servidos no Café Colonial (segundo o Wikipédia, tradicional em cidades de colonização alemã) que quase não sobra espaço pra copos e talheres. Chega a ser imoral.  Por um preço fixo por pessoa (R$45), é possível se jogar em 80 (eu disse OITENTA) variedades de doces e salgados, como bolo, queijo, geleia, pão, polenta, frango à passarinha, lombinho de porco, etc, etc, etc e repetir quantas vezes quiser, puder, caber no bucho. É comida até umas horas. Não satisfeito, o olhudo ainda pode se servir no buffet de tortas e tomar suco, vinho, chá, chocolate quente e café. Nunca nem tinha imaginado que um negócio desses existia até viajar, na semana passada, para o Sul. Se soubesse já tinha ficado LOKA, batido cabelo e colocado na lista dos desejos gastronômicos. café colonial Foto: Felipe Peres Calheiros/Não Sei Cozinhar
Eu, sem saber por onde começarcafé colonial  Foto: Milenna Gomes/Não Sei Cozinhar
café colonial  Foto: Milenna Gomes/Não Sei Cozinharcafé colonial  Foto: Milenna Gomes/Não Sei Cozinhar
café colonial  Foto: Milenna Gomes/Não Sei Cozinhar
café colonial  Foto: Milenna Gomes/Não Sei Cozinharcafé colonial Foto: Milenna Gomes/Não Sei CozinharSorte a minha que eu não nutria nenhum sentimento em relação ao Café. A decepção foi menor! Depois de provar, eu só tenho uma coisa a dizer para você: CORRA, CORRA, CORRA! Ai, minha gente, nem deu. Café Colonial é injeção de fritura, açúcar e sal direto na veia. Junk food travestida de fineza fidalga. Pelamor. Eu e Felipe só fizemos dar risada da roubada em que a gente entrou. Das 80 variedades eu não comi nem 10, e olha que eu sou dessas que tem lombriga na barriga: como de tudo e de muito. Em 10 minutos a gente já estava estufado, sem poder respirar, mas ainda morrendo de fome. E, o pior, R$90 mais pobres. kkk Com R$ 20 tínhamos comido melhor numa padaria. Sério. Enquanto o nosso estômago digeria as gorduras, ficamos observando nossa mesa, o entorno e o desperdício da comida alheia. Muita coisa deve ir para o lixo (ou não!). :/

Pode ser que você goste e, como todo turista, tenha vontade de conhecer. Por isso, fica a dica. Existem vários cafés lá. O que eu estava fica ao lado de outros dois na Rua das Hortênsias, em Gramado. Fomos muito bem atendidos por pessoas super atenciosas. Mas, garanto, é programa pra se fazer uma vez só.

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

14 Comentários

  • Responder junho 21, 2012

    Aline Souza

    Meu bem, no frio de junho você não viu na-da do que é um uma refeição gordurosa. Para aguentar frio, cá em Curitiba, a gente desce cachaça, café quente e aquele barreado gorduroso. Quando tu vier me visitar eu te levo pra conhecer a nossa gastronomia! 🙂

    :*

    • Milenna Gomes
      Responder junho 22, 2012

      Milenna Gomes

      Topo fácil cachaça, café quente e barreado, quando eu descobrir o que é! Me leve pra Curitiba, me leeeve. 🙂

  • Responder junho 21, 2012

    Rodolfo Nícolas

    Meol deols! Teve até reviravolta na história uhuhuhuhuhu. Por isso nunca troco por nada a boa e velha macaxeira com charque uhuhuhuhu.

    • Milenna Gomes
      Responder junho 22, 2012

      Milenna Gomes

      Esse blog é cheio de emoções! hahaha Macaxeira com charque é vida. Instituição pernambucana inenarrável. 😀

  • Responder junho 21, 2012

    Gabi

    Gata!!! quando eu e Bru fomos à Gramado corremos do tal café colonial…imaginei que eu nao ia curtir o que seria apresentado. Na verdade te digo que infelizmente não comi nada absurdamente delicioso por lá. Essa experiencia gastronomica nao foi das melhores. Imagino que como turista acabei caindo em restaurantes caros e que serviam uma comidinha muito da “marrom”…mas enfim, acontece sempre com turistas desavisados.

    • Milenna Gomes
      Responder junho 22, 2012

      Milenna Gomes

      Gramado é linda, mas como todo lugar para se “turistar” pode colocar uns desavidasos em perigo.kkkkk Bom é quando a gente acerta um restaurante legal!

  • Responder junho 21, 2012

    Lorena Tapavicsky

    Vocês devem ter ido num lugar ruim. Café Colonial é bom demais! A dica é comer devagar pra aproveitar tudo.

    • Milenna Gomes
      Responder junho 22, 2012

      Milenna Gomes

      Gataa, nos indicaram esse como um dos melhores! A gente comeu devagar, passamos bem umas duas hora lá vendo se conseguíamos gostar. ahaha. Acho que a vibe não era a do dia…

  • Responder junho 21, 2012

    Fernanda Nery

    Milennaaaaaaaaaaaa,

    o que é isso?

    Minha nossaaaaaaaaaaaa qnta comida! =O
    Eu passava mal só em provar um pouquinho de cada coisa.
    kkkkkkkkk

    bjo!

    • Milenna Gomes
      Responder junho 22, 2012

      Milenna Gomes

      Tu ia comer naaaaaada! kkkk Aguentava nem a pau.

  • Responder junho 24, 2012

    Renata Rodrigues

    Mih..
    Acho que eu iria me deliciar, essas experiências são as melhores. O preço tava era salgado. Mas de ótima qualidade e luxuosidade. O importante mesmo é estar por dentro de toda cultura. Claro, economizar 90 conto é importante. Mas, a riqueza da cultura e atenção desse povo é o melhor!!!
    Quero muito ir por aew vendo, provando, conhecendo… acho que esse será um novo passo. SUCESSO, minha assessora sumida.

    beijão!

  • Responder abril 1, 2016

    Kélen

    Aff, nossa cultura aqui é muito diferente, só não”comeu nada absurdamente delicioso” aqui porque não está acostumada… Eu como polenta com leite e amo porque sou acostumada desde criança, tenho certeza que não acharia gostoso….

  • Responder janeiro 29, 2017

    Isis

    Café Colonial é o melhor da vida inteira! Saudades de umas boas tardes de comilamça na casa da vó! Questão cultural né? Talvez a gente também não goste do prato de vocês né?

    • Milenna Gomes
      Responder fevereiro 4, 2017

      Milenna Gomes

      Ô, Isis. Tenho certeza que se eu passasse boas tardes de comilança na casa da tua avó ia adorar café colonial também. Porque é real e não uma experiência fake num restaurante pega turista em Gramado. A crítica foi à proposta da coisa toda e não ao café em si.

Deixe um comentário