PQTRLV o quê?

Passei na frente desse lugar umas 30 vezes até parar para conhecer. A curiosidade já tinha batido. Também, com um nome desses, né? TENTE SER MAIS ORIGINAL E FALHARÁS! kkk Esta belezura de estabelecimento, uma união estável entre barzão e self-service, fica em Cachoeira, município a 115km de Salvador, na Báhîîîa (eita, sotaque bom danado, voltei falando baianês). A cidadezinha é massa, meu povo. Lindona, com um rio fantástico (andei de barquinho nele), com casarões históricos em cada esquina (e, vâmo combinar, precisando de revitalização), cheia de gente jovem, bonita e cineasta. É que lá tem a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), que movimenta tudo e onde o curso de Cinema e Audiovisual faz bastante sucesso. Eu e o boy estávamos de passagem para um festival de cinema, o CachoeiraDoc, e aproveitanos para passear e – eu – conhecer os sabores baianos in loco. No entanto, mesmo sendo tão legal, uma coisa eu preciso dizer sobre Cachoeira: não tem lugar bom para comer. Não tem e pronto. E olhe que a gente procurou. O PQTRLV não é exceção, mas só pela alcunha, jamais vista neste Brasil, merece este post.

Conhecemos a cidade praticamente a pé porque tudo é perto. Nossos guias foram os entusiastas cinematográficos Emerson Dias e Leon Sampaio, além do multiartista de Jequié Ricado Ayade. Pessoas do bem e, com certeza, melhores lembranças da viagem – junto com o prêmio de melhor curta, dado pelo juri jovem, para ACERCADACANA, filme do boy. Então, nem essa galera que vive em Cachoeira pra estudar sabia do significado das letras do PQTRLV (carinhosamente e francesamente chamado de Pêquêtêrrêlêvê). Aí quando a gente foi almoçar lá resolvi investigar e prestar esse serviço à população. A HISTÓRIA: O dono comprou o bar e ganhou o nome de brinde. Quem vendeu a ele jurou que o local havia sido repassado já batizado. Tendo em vista a peculiaridade e a tradição do título, o proprietário atual resolveu deixar como estava. E fez-se o mito. Tô enrolando muito pra dizer o que, né? Pois bem. PQTRLV = Pedro Quer Ter Rendas Lucros e Vantagens. Pedro ninguém sabe quem é, mas a fama de mercenário dele se perpetuou com o nome. kkk Essa é a versão ligth para a sigla, existe uma caliente, para maiores de 18 anos, que eu não digo nem a pau porque esse blog é de família! Escolhemos um peixinho para aplacar a fome e o resto do prato nos servimos no self-service. O peixe estava até gostoso, mas meio salgadinho ($). Provavelmente o dono do babado acrescentou no valor da comida o preço de ter contato a história do bar. Ainda me pergunto se essa história não é de pescador…

Os bonitões curtindo uma sombra e esperando o rangoEu, simpática como costumo ser (hahah modesta)Os peixinhos os “ói da cara” (o tio do bar reparou que a gente era turista)

CACHOEIRA À NOITE

Fikadika pra quem for fazer a visita: andar à noite pela linha do trem (que ainda funciona) que separa Cachoeira e São Felix. Massa demais. 🙂

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

3 Comentários

  • Responder maio 3, 2012

    Balbis

    Mil, chegou com um certo atraso, né? Adoro ler teus textos e as legendas das fotos são muito engraçadas.
    “Eu, simpática como sempre”.
    Lesa demais também, vú!

    Só esse peixe que não tá com uma cara muito amistosa.

  • Responder maio 3, 2012

    Mayara

    É incrível, por que a gente começa a ler (meio cansado, com preguiça..) mas, vai se empolgando, gostando e quando acaba fica aquela: “ah, e não tem mais?” Po, muito bom! Deu até vontade de conhecer o Pedro e comer o peixe! hahah
    E mi.. você é sempre simpática sim, mesmo com “pouca” modéstia, você foi sincera. Além de linda! Beijo

  • Responder julho 28, 2017

    Vitor Dias Barbosa

    Eu fui lá em abril deste ano. Deveriam ter pedido o filé de carne bovina no PQTRLV. É a melhor pedida. Macio sem igual!

Deixe um comentário