Intercâmbio de férias em San Francisco: quanto custa, onde morei e estudei

Depois de pensar muito se valeria a pena fazer um intercâmbio aos 25 anos, decidi para onde gostaria de ir e quanto tempo ficaria. Só com um mês de férias disponível, as possibilidades não eram muitas. Então, procurei um curso de inglês flexível, no qual eu pudesse me matricular e começar a qualquer momento. Antes de tudo, você precisa se perguntar:

Um mês de curso vale a pena?

Se você já tem uma base no idioma, vale sim. O intercâmbio vai ser o momento de revisar regras gramaticais e praticar a fala. Mas, se você entende nada da língua, sugiro estudar um pouco antes e, depois, se aventurar. Ou optar por uma estadia mais longa. Juntando todos os cursos de inglês (sem contar as aulas na época da escola) que fiz, não fecho dois anos de estudo. E todos antes dos 16, ou seja, há uma década. Ainda assim, desenrolei bem. Assisto, contudo, filmes e séries legendados desde os 8 anos. Isso deixou meu ouvido treinado e me ajudou a entender com mais facilidade o que as pessoas dizem em inglês. E a falar razoavelmente.

Sala de aula na Advance English Academy

Sala de aula na Advance English Academy, onde estudei

Que visto tirar?

Você não precisa ter visto de estudante (F1) – mais complicadinho e caro de tirar – para estudar um mês nos Estados Unidos. Isso facilita muito a vida. Com o de turista (B1/B2) é possível fazer até 18 horas de aulas por semana dentro da regularidade. Você pode ficar até seis meses no país com ele, por isso não há problemas se quiser esticar o curso para mais de 30 dias. Mas, é bom lembrar, estar com a passagem de volta na hora da imigração é fundamental para não encrencarem com sua cara – eles precisam saber que sua intenção é estudar e retornar ao Brasil. Durante a entrevista no consulado, tenha em mãos a matrícula da escola paga e uma carta de aceitação da instituição contendo informações de carga horária e do tempo que você pretende ficar. Não me pediram, mas vai que… Ah, melhor deixar para comprar os bilhetes do voo depois de conseguir o visto, tá? Todas as informações que você precisa para solicitar o documento estão no site do governo americano.

Painted Ladies, as incônicas casinhas de arquitetura vitoriana

Painted Ladies, as icônicas casinhas de arquitetura vitoriana

Por que estudar em San Francisco?

Essa resposta, pra mim, foi bem fácil. Depois de Nova Iorque, San Francisco é a cidade americana com o cenário gastronômico mais expressivo! Apesar de ter um dos custos de vida mais caros, comer é até barato. Fiz ótimas refeições gastando uma média de 15 dólares. Também é referência em qualidade de vida, transporte público, belezas arquitetônicas (as casas são LINDAS) e naturais – dá pra fazer vários passeios de barco, como ir até a ilha/presídio de Alcatraz. O clima é mais ameno na Califórnia – fui no fim do inverno e peguei entre 9 e 22 graus – e as pessoas são muito gentis. SF também fica próxima das mais importantes regiões produtoras de vinho dos Estados Unidos (Napa Valley e Sonoma), do Vale do Silício (Facebook, Google, Twitter, Apple, Uber, Netflix e mais um monte de empresas têm sede lá), de parques nacionais como Yosemite e cidades como Las Vegas, Los Angeles e San Diego (umas seis horas de carro). E foi por lá que eclodiram os movimentos hippie e LGBT. San Francisco é a terra da diversidade.

Até a faixa de pedestre carrega a bandeira da diversidade no bairro do Castro

Até a faixa de pedestre carrega a bandeira da diversidade no bairro do Castro

Quanto custa a viagem toda?

Vai depender da cotação do dólar, do valor da passagem que você encontrar, da escola em que você vai estudar (a minha foi beeem econômica para o padrão da cidade), de quanto pretende gastar por dia, de onde você queira se hospedar, comer, dos passeios e das compras que vai fazer. Pra falar a verdade, parei de contabilizar na metade porque meu coração não tava dando conta. Para passar um mês, com o dólar americano a R$4, no entanto, espere gastar a partir de R$ 12 mil.

A MINHA EXPERIÊNCIA

A escola

Depois de pesquisar muito e concluir que não era possível financeiramente contatar uma agência para planejar meu intercâmbio, resolvi fazer tudo sozinha. Peguei alguns orçamentos em escolas famosas e bem conceituadas como Kaplan e EF e quase chorei lágrimas verdes de dólar. Os valores são BEM ALTOS. Não dava match com minha realidade. Graças a esse depoimento no blog Turista Profissional, eu encontrei a Advance English Academy (AEA), um escola de inglês local, com uma unidade em San Francisco e outra em Berkeley, apenas. Os preços? Bem, o que eu gastaria em uma semana nas instituições maiores eu paguei no total das três semanas que passei na AEA. Você pode fazer uma transação bancária ou pagar com cartão de crédito internacional. Adorei a escola, as lições, minha turma. Os funcionários são gentis e estão sempre tentando ajudar. A instituição fica localizada num bairro que já foi desvalorizado e hoje é super descolado, ocupado por artistas, galerias e restaurantes legais, o Mission. Fica do lado da Market Street, a principal avenida do centro, do metrô e a menos de 20 minutos de diversos pontos turístico. Dá até pra ir andando a alguns. O site da escola é esse aqui, valores e outras informações estão nele.

Minha turma heterogênea :)

Minha turma heterogênea 🙂

As aulas

Fiquei na turma do intermediário avançado e a professora, Emily, é muito boa mesmo. Todo dia estudamos um contexto diferente, como música ou viagens, e aprendemos o vocabulário em torno disso, além de regras gramaticais. Ela sempre estimula as conversa entre os alunos e realiza dinâmicas bem divertidas para a gente aprender com mais facilidade – até fomos em um museu bem bacana para discutir em sala depois. Quem faz o curso de um mês pega o bonde andando da turma anual, mas as lições são independentes, então o aprendizado não é prejudicado. É preciso ter um material didático (dois livros) que custa uns $30. Eu baixei o PDF na internet e fiquei acompanhando pelo celular – se soubesse que poderia fazer isso, teria levado o iPad. É importante revisar o conteúdo dado em aula todos os dias, nem que seja por 20 minutinhos, porque ela sempre corrige no dia seguinte. As aulas para novos alunos começam nas segundas-feiras e o teste presencial de nivelamento acontece nas sextas. Como só chegaria no domingo, na véspera, pude fazer online, de casa, uma semana antes. Lá, estudei das 9h às 13h15, de segunda a quinta (nas sextas eles oferecem atividades, como encontros de alunos para conversação). Há a opção do turno da tarde também. Valeu a pena demais. Fiquei com vontade de fazer um ano todo.

Copa da escola cheia de cor

Copa da escola cheia de cor

Minha casa

Pensei em alugar um quarto pelo Airbnb para ter mais privacidade e conforto. O dólar não ajudou. Cotei também alguns hotéis, no entanto a alternativa mais em conta foi morar numa casa de família. A diretora da escola me colocou em contato com Johanna – paguei uma taxa pra isso – e eu fechei com ela. O pagamento foi via PayPal. Morei no West Portal, um bairro bem simpático, a 15 minutos do centro. Na porta de casa havia uma estação de metrô e dá para conhecer boa parte da cidade só usando esse transporte. Foi um ponto positivo! Dividi quarto com uma moça árabe que me ajudou demais durante minha estadia. Dei muita sorte. Na casa tinham mais uns 15 estudantes de várias nacionalidades. Dividíamos três banheiros e os outros cômodos como sala da TV, de jantar e cozinha. Isso foi uma surpresa pra mim. Achava que compartilharia o espaço com, no máximo, quatro pessoas e me vi numa república. No final, foi massa para conhecer gente e outras culturas, mas pediria informações mais detalhadas do local se fosse você (meu quarto, por exemplo, era bem escuro. Eu teria optado por outro). Incluso no pagamento estavam café da manhã continental (pão de forma, manteiga, geleia, cereal e leite) e jantar, que nem sempre eu comia. Algumas vezes estava delicioso, outras vezes nem tanto. Wifi era liberado e lavanderia, paga com moedinhas. Não cheguei a usar. Ah, cozinhar não era permitido.

Dolores Park num dia de céu azul

Dolores Park num dia de céu azul

Se valeu a pena

Muito. As aulas de inglês foram bastante proveitosas. Treinei bastante a fala, revisei conteúdos que há tempos não me debruçava sobre e hoje me sinto bem mais confiante em falar e escrever em inglês. Queria de verdade ter passado mais tempo estudando e frequentando a escola. Mas, mais do que melhorar o idioma, eu curti viver a cidade. Só de lembrar já dói o peito de saudade. Eu nunca imaginei que pudesse ser tão bem tratada em outro país. Quando pedia ajuda na rua, as pessoas só faltavam pegar na minha mão e caminharem junto para me mostrar a direção. Sempre fui recebida com sorrisos e interesse por onde andei e algum morador local sempre tinha uma dica incrível de SF para me dar. Também nunca me senti tão segura e respeitada. Acho que foi por conta do movimento LGBT, que ensinou os moradores na marra a aceitarem o que consideravam diferente e a não se meterem na vida dos outros. Quero voltar mil vezes, andar de cable car, me perder pela cidade e sempre encontrar uma paisagem linda, comer queijos incríveis no mercado. E ver e tocar a gigantesca, imponente e vermelha Golden Gate Bridge nunca vai sair da minha memória, é de emocionar. Faria tudo de novo.

I left my heart in san francisco <3

I left my heart in san francisco <3

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

10 Comentários

  • Responder abril 4, 2016

    Zâmbi Mentuhotep

    Awesome, Parabéns lindona, excelente escolha, adorei o texto!!!!

  • Responder abril 4, 2016

    Viviane

    Olá, estou avaliando sobre ir fazer intercâmbio em São Francisco e gostaria de saber quanto custou +- a estadia em casa de família por semana e onde vc ficou assim que chegou? E qual a melhor dica que você dá pra quem está indo? Ótima matéria, bjos!

    • Milenna Gomes
      Responder abril 13, 2016

      Milenna Gomes

      Oi, Viviane! É uma cidade incrível, você não vai se arrepender. Custou 350 dólares por semana, mas varia de casa pra casa. É preciso pesquisar. E já fiquei por lá desde que cheguei. Saí do aeroporto direto para a casa, pois já tinha fechado um mês antes. A dica é visitar tudo o que você puder, usar os fim de semanas para ir mais longe, nas cidades do entorno, e não fazer amizade com brasileiro pra poder treinar o inglês!

      Bjss

  • Responder junho 11, 2016

    Nathália Moreira

    Adorei o texto, pois estou querendo fazer também um intercâmbio de um mês e queria saber se valia a pena.
    Você foi sozinha ou foi com alguém? Eu iria sozinha e o meu medo é esse também.
    Beijo

    • Milenna Gomes
      Responder junho 13, 2016

      Milenna Gomes

      Oi, Nathália! Fui comigo e meu medo na mala. Nunca tinha viajado sozinha e a primeira vez foi logo essa, vê só… Foi ótimo pra perder a insegurança e a me virar. Mete a cara! Tu vai querer fazer uma vez por ano depois.

      Bjs

  • Responder julho 25, 2016

    Waldana

    Olá Milenna. Adorei seu post. Eu sou a Wal e escrevo o blog Acontece no Vale. (www.acontecenovale.com). O blog é inspirado na cultura do Vale do Silício, mas tem muitas dicas sobre San Francisco. Eu inclusive já estudei e trabalhei na Advance English Academy assim que cheguei aqui. Adorei a escola e fiz amizades incríveis. Vamos trocar umas dicas…adoraria saber onde você comeu e quais comidas boas recomenda por aqui!
    Um bjo…seu blog é excelente.

    • Milenna Gomes
      Responder agosto 15, 2016

      Milenna Gomes

      Oi, Waldana! Desculpa a demora pra responder, dei um tempinho no blog pra resolver coisas da vida. Vamos trocar ideias sim! Mesmo com dinheiro apertado, eu comi muitíssimo bem.

      Bjss

  • Responder abril 17, 2017

    Bruna

    Olá.. adorei as dicas e super abriu novos horizontes pra mim por exemplo que não sei por onde começar! Se puder dar mais esta ajuda.. tem alguma referência de contato com a casa que você ficou, site facebook? Ou apenas pela escola..? Fico no agurado, e obrigada!

    • Responder abril 26, 2017

      Milenna Gomes

      Oi, Bruna! A casa não tem página oficial, foi a escola que me passou o contato da dona. Não tenho autorização pra jogar nas redes. Mas me envia um email para contato@naoseicozinhar.com que te encaminho.

      Bjss

  • Responder maio 2, 2017

    Beatriz

    Oi, Milenna! Tudo bom? As dicas me ajudaram muito! Vou fazer intercâmbio de um mês pra San Francisco e seu post me ajudou a perder um pouco daquele medinho que rola quando a gente nunca viajou sozinha antes haha Vi em um comentário anterior que você sugeriu a visita para cidades próximas aos fins de semana. Poderia dizer em quais você foi? Só para eu ter uma ideia e começar a me planejar! Obrigada!!!

Deixe um comentário