É internacional, mas criado no Brasil

Estávamos eu, Felipe e dois hóspedes italianos circulando em Olinda quando um rapaz ofereceu a eles Palha Italiana, aquele docinho com biscoito Maria e brigadeiro. Aproveitei para perguntar como era a preparação por lá, na terra natal, e…fuééééén! Simplesmente ela inexiste no Velho Mundo, minha gente. Pois é, a Palha Italiana não nasceu na Itália. Ela é invenção brasileiríssima. Anos antes, Felipe fez uma viagem para a Alemanha e eu mandei na mala uma missão: provar Torta Alemã in loco. O pobre, amante de chocolate, voltou mais frustrado que tudo porque ninguém fazia ideia de que receita era essa. Com a descoberta, #meumundocaiu. hahahha A mesma coisa quando ele foi para a Holanda, com a Torta Holandesa (foto do topo, que é daqui). Comassim, Brasew?! Fui enganada por toda minha vida! Me manifestei no Feice e surgiram outros pratos “internacionais” legitimamente brasileiros. Dei um Google e aqui vão as origens de alguns deles.

Palha Italiana

Na Itália, existe um doce conhecido como “salame de cioccolato”, ou salame de chocolate em bom português, feito com chocolate, pedaços de biscoito e modelado em forma de salame. No Brasil, essa receita foi adaptada, ganhou brigadeiro (super brasileiro!) e o biscoitinho Maria nosso de cada dia.

mj9estudio-22Foto daqui.

Torta Alemã

Lá no Sul do Brasil, uma imagrante alemã estava tendo um siricutico. Ela queria comer Torta Floresta Negra, criada na Alemanha, de todo jeito, mas por aqui era complicado encontrar nata para fazer o chantilly da receita original. Então, ela misturou manteiga e creme de leite e assim surgiu uma das coisas mais gostosas dessa vida, a Torta Alemã.

53261d4b453b6Foto daqui.

Torta Holandesa

A Torta Holandesa nasceu em Campinas, em 1991, pelas mãos de uma senhora chamada Sílvia Leite. Ela tinha um café na região e resolveu criar o doce para lembrar dos bons momentos vividos na Europa. A receita leva leite condensado, gema, leite, creme de leite fresco em ponto chantilly, chocolate ao leite, chocolate meio amargo, manteiga e biscoito Maria. Obrigada, Sílvia. Deus lhe dê em dobro.

263441_175110162550697_3803065_nFoto: internet.

Pão Francês

A receita do nosso pãozinho “francês” surgiu no começo do século XX, aqui mesmo, no Brasil. Ele já dava pinta antes de 1914, data de início da Primeira Guerra Mundial. Pelo que tudo indica, a preparação apareceu porque brasileiros queriam reproduzir um tipo de pão popular na França nessa época. Como os ingredientes eram diferentes, acabou se tornando o que conhecemos hoje. Amo/sou pão francês.

padaria santa cruzFoto daqui.

Arroz Piamontese

Essa preparação não surgiu em Piemonte, na Itália. Houve um tempo em que comprar arroz de qualidade para fazer risotos era bem difícil por aqui. Os chefs, engenhosos, começaram a utilizar o arroz normal acrescido de creme de leite  e manteiga. Dessa forma, ele empapava e chegava próximo da consistência de um risoto “à moda piemontesa”. 

MG_6579-3-620x413Foto daqui.

Arroz à la Grega

A origem da palavra “arroz” pode até ser grega (oryza), mas a preparação feita com passas, ervilhas, cenouras e que sempre figura nas ceias natalinas não é feita dessa maneira na Grécia.

dscn31981Foto daqui.

Bife à Parmegiana

O bife à parmegiana não foi criado em Parma, na Itália. Ele é, provavelmente, uma adaptação do filé à milanesa (que existe em Milão), com uma fatia de queijo e molho por cima.

DSCN4405Foto daqui

Vocês lembram de mais algum?

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

1 Comentário

  • Responder março 25, 2014

    Ana Maria

    Frango a Cubana…

Deixe um comentário