De costela à rabanada, pratos novos no Pobre Juan

Eu adoro o Juan porque ele é humilde. Mesmo sendo mais que phyno e servindo umas das melhores carnes desse Brasil, colocou pobre no nome só pra não aômilhar a concorrência, assim, já de cara. Um fofo! A chef da rede, Priscila Deus (gente, eu poderia passar o dia escrevendo trocadilhos com as alcunhas ligadas a esse restaurante, mas vou poupar vocês), é ÓTIMA e de tempos em tempos dá um pulinho no Recife para lançar novidades no menu, sempre levando em consideração a estação, os ingredientes da temporada e o nosso gosto. Então, o que mostro hoje aqui pra vocês tá fresquinho no cardápio e foi feito especialmente para nossa terrinha. O menu fixo continua lá, firme e forte, pra quem prefere conhecer pratos da casa. Mas os novos, meu amigo, tão valendo a pena demais. Os cortes do Pobre Juan são de padrão super alto e é parada certa para quem ama carne. Impossível comer mal. O atendimento é super atencioso – o responsável pela unidade, Leo, é de uma competência e simpatia impressionantes -, a carta de vinhos é incrível e a comida, bem, a comida é tão boa que até peixe, na contramão de boa parte dos estabelecimentos especializados em proteína bovina, sai da cozinha impecável.

Para o padrão financeiro da maioria dos recifenses é, sim, um restaurante de preço mais alto. Não considero caro porque, minha gente, caro é gastar dinheiro em uma refeição ruim. Eu dou “duvida” se tu sair de lá insatisfeito. 🙂 Começando a falar dos pratos novos, esse aí do topo foi um dos meus favoritos. Me tremo todinha na frente de uma costelinha. Você pode pedir tanto uma Costilla Rústica inteira (R$ 74), que serve bem quatro pessoas petiscando, quanto uma meia (R$ 56,90), ideal para duas pessoas. A costela de porco marina 12 horas em vinho branco e depois é cozida em fogo baixinho, em gordura, por mais 12. Depois vai para a grelha. Não preciso dizer que ela se desmancha, né? O alho que confitou junto com ela também. Ai! Acompanha batatas fritas rústicas.

Pobre Juan 5

O Bife Ancho com Farofa Crocante (R$84,40) tá demais! Ele é muito bem servido, reparem só. Peça se a fome for grande e você não tiver beliscado antes. Porque tu vai querer raspar o prato. É uma forma de ir no céu pela boca. A carne é macia, suculenta por dentro. Dá nem trabalho de mastigar. Os acompanhamentos foram, de longe, os meus favoritos do menu novo. Super regional, mas nada rústico. A execução é elegante. O jerimum, por exemplo, chega em duas texturas: purê levinho e em pedaços assados. Farofa de biju na manteiga de garrafa (senhor!) e pesto de salsa com coentro completam.

Pobre Juan 4

Se você curte um peixinho, não se acanhe em pedir o Pirarucu (R$78,90). Ele e o palmito de pupunha que acompanha chegam à mesa grelhados na brasa. Uma farofinha – amo farofa, sou farofeira demais – de urucum maravilhosa também é servida e vai junto com crocante de couve e molho de ervas com alcaparrones (alcaparra gringa). Uma boa oportunidade para quem nunca provou esse pescado brasileiríssimo. Delícia!

Pobre Juan 3

Assim, de cara, confesso que não achei a sobremesa apetitosa. A Rabanada de La Abuella (R$20,40), no entanto, me ganhou na língua. Sensacional. É uma releitura da nossa rabanada – ou fatia parida (amo esse nome) – natalina. No lugar da fatia de pão francês embebida em leite e polvilhada com açúcar e canela, brioche sobre com creme inglês (que eu amo! foi um dos melhores já provados por mim) com baunilha, raspas de laranja, purê de maçã e doce de leite. Doida pra provar novamente! Se eu fosse tu, ia lá.

Serviço
Pobre Juan Recife
Shopping RioMar, 1º piso, Recife.
Informações: (81) 3327-0862.

Milenna Gomes

Criadora do NSC, Milenna é jornalista de gastronomia e mestranda em história da alimentação na Universidade de Coimbra. Recifense vivendo em Portugal. Críticas e sugestões: contato@naoseicozinhar.com

Seja o primeiro a comentar